A IDC estima que mais de 75% das empresas no mundo já tenham hoje alguma estratégia nesta plataforma ou têm planos para estarem lá em breve

Nos últimos anos temos ouvido muito falar em investimentos na “Nuvem” ou o seu termo equivalente em inglês “Cloud Computing”, sem às vezes conseguirmos ter a dimensão do volume e da velocidade envolvidos na transição para esta tecnologia.

Segundo a IDC, em 2015, serão investidos no mundo mais de US$ 2,1 trilhões em TI (hardware, software e serviços), representando um crescimento estimado de algo em torno de 3%. Boa parcela deste crescimento virá dos investimentos em cloud. A IDC estima que mais de 75% das empresas no mundo já tenham hoje alguma estratégia nesta plataforma ou têm planos para estarem lá em breve.

De acordo com recente pesquisa realizada pela IDC, a boa notícia para o canal neste tempo de transformação para a nuvem é que os clientes continuam interessados em comprar TI por meio do canal. As empresas, consideradas por eles como seus consultores de confiança, oferecem soluções de um número variado de fabricantes, permitindo assim a escolha da opção certa que atenda às suas necessidades. E, melhor, estes parceiros deverão continuar tendo a preferência de compra por parte dos clientes.

Dilma Rousseff sancionou a lei que revê a desoneração na folha de pagamento concedida a 56 setores da economia e aumenta as alíquotas incidentes sobre a receita bruta das empresas. Uma das indústrias que será impactada é a de tecnologia da informação.

A presidente vetou um trecho do projeto, que previa tributação diferenciada para o setor têxtil. A sanção e o veto estão publicados em edição extra do Diário Oficial da União.

A medida foi aprovada no dia 19 de agosto pelo Senado após meses de negociação e era a última medida do ajuste fiscal que dependia de aprovação do Congresso.

Criada em 2011 pelo governo, a renúncia fiscal atingiu, em 2014, cerca de R$ 22 bilhões. A desoneração trocava a contribuição patronal de 20% sobre a folha de pagamentos para a Previdência por alíquotas incidentes na receita bruta das empresas.

Com a sanção de Dilma, o governo aumentou as duas alíquotas atuais de 1% e 2% para, respectivamente, 2,5% e 4,5%. A mudança poderá resultar em uma arrecadação de cerca de R$ 10 bilhões.

Entre as principais tendências que irão modificar profundamente o trabalho até 2020 estão o aumento de freelancers e do trabalho remoto.

A tecnologia tem mudado significativamente a vida pessoal, a maneira de trabalhar e a interação das pessoas com os objetos e lugares. Essas modificações vão além das ferramentas ou dispositivos utilizados para facilitar as tarefas, já que criam novos valores e comportamentos e inspiram tendências que se tornarão padrões em um curto espaço de tempo.

Um estudo desenvolvido recentemente pela Citrix - o Citrix Landscape 2020 - aponta as principais tendências que irão modificar profundamente o trabalho até 2020, entre elas, o aumento do número de freelancers e do trabalho remoto.

O trabalho freelancer está em grande expansão no mundo. No Brasil, um levantamento do site Freelancer.com registrou crescimento de 17 mil usuários cadastrados em 2012 para 235 mil em 2015. Mundialmente, a empresa possui 15 milhões de profissionais cadastrados.

O JavaScript completa 20 anos em 2015 e a 5ª edição da BrazilJS Conf celebrará a data com a participação de seu criador, Brendan Eich. O ex-CTO da Mozilla se unirá a outros 17 palestrantes no evento que acontece em Porto Alegre nos dias 21 e 22 de agosto.

Outros nomes que confirmaram presença são como Andreas Gal, Sebastian McKenzie, Laurie Voss, Eric Schoffstall, Christian Heilmann, Ju Gonçalves, James Halliday, Douglas Campos, Julián Duque, Reinaldo Ferraz, Felipe Ribeiro, Tania Gonzales, Diogo Lucas, Damian Schenkelman, Raphael Amorim, Nicolas Bevacqua e Fernando Miçalli.

A década do lançamento da linguagem de programação será um dos temas principais da edição do evento deste ano. Com “Lembranças dos anos 90”, o evento busca expandir os conhecimentos dos participantes e levá-los a fazerem novos contatos.

A BrazilJS Conf é direcionada a empreendedores e profissionais da área de tecnologia e negócios, bem como estudantes e entusiastas interessados no desenvolvimento de software com a linguagem JavaScript, tanto server- side quanto client-side.

A organização do encontro estima receber um público de 1,3 mi pessoas, com 30% dos participantes vindos região Sul do Brasil e os demais de outros estados do país e países da America Latina.

O evento acontece no Barra Shopping Sul (Av. Diário de Notícias, 300, bairro Cristal) em Porto Alegre. O primeiro lote de ingressos está disponível até 31 de julho por R$ 240.

Fonte: Computer World

Estamos realmente preparados para deixar o dinheiro vivo de lado e apostar na popularização dessa tecnologia?

Aquela velha cena de tirar o dinheiro da carteira e guardar o troco após a realização de uma compra tem se tornado cada vez menos comum, especialmente com a popularização dos cartões de débito e crédito, muito mais práticos e ágeis que as notas ou moedas. Essa cena faz parte do universo dos pagamentos digitais e eletrônicos que compõem aquilo que muitos já chamam de cashless society (sociedade sem dinheiro).

Um relatório da Globant, empresa argentina que atua na criação de produtos de softwares com apelo para audiências globais, aponta o pagamento cashless como uma das tendências do mundo digital com maior possibilidade de crescimento nos próximos meses. Em alguns países essa realidade já está presente no dia a dia da população.

Um exemplo é a Suécia, líder mundial nesse quesito. No país, cerca de 80% de todas as movimentações financeiras ocorrem por meio de métodos eletrônicos. Muitos estabelecimentos locais, inclusive, não aceitam notas ou moedas.

Página 66 de 66